[.: Jornalismo e Algo Mais :.] Guido Mantega e a mendiga

Vou à janela do meu quarto acender um cigarro. No sábado à tarde pretendo dormir um pouco após o saboroso almoço que minha mulher preparou. Sobre a cama, ela já sonada e meu filho, com alguns brinquedos, aguardam-me para dar a eles o carinho que só o amor de família pode proporcionar.

Pela janela deparo-me com uma cena insólita, que todos sabemos que ocorre, mas pouco de nós ‘perde tempo’ para analisá-la. Enquanto trago um cigarro, mesmo sabendo do mal que certamente ele me faz, observo uma senhora. Deve ter uns 60 anos. Tem o rosto e as mãos carcomidos pelo deus Cronos e analisa criteriosamente o saco de lixo, que há pouco coloquei para ser retirado.

Algo habitual e rotineiro, os lixeiros visitam minha rua aos sábados e como decidi descansar um pouco, pus o saco de lixo antes do horário habitual. Aliás é deveras comum eu perder o horário do amigo lixeiro e só lembrar da coleta quando ouço os pneus cantando na esquina da minha casa.

Esta senhora analisa meu lixo criteriosamente. Ela está alheia aos carros e cachorros que passam pela rua. Conceitos de limpeza – ela aje sem luvas – e vergonha, há muito deve ter sublimado.

Digo a vocês que não há nada demais em meu lixo físico, daquele que pode ser mensurado. Material inservível que advém da raça humana, restos de cascas do preparo da comida, algumas latas de cerveja, pois aproveitei o sol que beija minha face aqui pelos lados da Mooca e muitos jornais, como sói acontecer a um profissional da comunicação.

Ela abre o saco com cuidado. Percebo que a senhora não quer fazer baderna ou deixar restos espalhados pelo chão. Após analisar o lixo e eu analisá-la, algo em torno de dez minutos não mais do que isso, ela recolhe as latas, um cabide desses de lavanderia amassado, alguns papéis que, certamente, são desenhos abandonados pelo meu filho e passa a fitar os jornais.

Pelos seus movimentos acredito que ela saiba ler. Curiosamente ela pega alguns cadernos de Economia que deixei de lado. Não valeu a pena colecioná-los, afinal, a Crise parece não ser tão mais problemática como semanas atrás. Ela para numa foto de Guido Mantega. Tento decifrar no que pensa. Será que se interessou pelo nosso genovês ministro ou saberá da crise? Isso afeta quem vende latas e jornais por míseros centavos de sobrevivência?

A verdade eu nunca saberei. Mesmo sendo jornalista, não quis fazer perguntas a ela o que reflete, em parte, minha mediocridade. Senti-me impotente. O que eu poderia fazer a uma senhora que deveria estar com seus familiares, netos, no aconchego do lar num sábado à tarde? É bem provável que não posso fazer nada. Para ela não há bolsas-família ou coisas do gênero. Resolvi escrever. Apenas para minimizar o quão lixo senti-me; mais até do que as coisas que ela pegou.



Postado por Sylvio Micelli no .: Jornalismo e Algo Mais :. em 11/01/2008 11:02:00 PM


Sylvio Micelli

Visite meu novo Blog .: Jornalismo e Algo Mais :. http://micelli.blogspot.com/

Também estou no microblogging Twitter, com atualizações diárias e links interessantes sobre (quase) tudo!

Acesse http://twitter.com/micelli

O Micelli Podcast está na Blip.FM que você pode acessar em http://blip.fm/profile/SylvioMicelli/playlist</b>

Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s